fbpx

Redes Sociais

Mapa

Blog

Escola de Leoas planeja volta das atividades presenciais em 2021

Encerramento das atividades em 2019 reuniu crianças de todos os polos. Com algumas aulas on line, escola de Leoas – projeto social do time Leoas da Serra – gravou vídeos no Instagram da Escola para as meninas treinarem em casa

Consolidar o esporte como forma de propor novas realidades para a vida de meninas em situação de fragilidade social é o que a Escola de Leoas, projeto social desenvolvido pelas jogadoras da equipe de futsal feminino Leoas da Serra, residente no Orion Parque, em parceria com a Engie, Uniplac e Prefeitura de Lages, realiza desde 2015. 

Por conta da pandemia, todo o trabalho planejado para o ano teve que ser suspenso, o que desmotivou as cerca de 300 meninas que participam da iniciativa. Apesar disso, foi importante pensar na inovação como ferramenta para levar adiante o trabalho realizado.

“Durante a pandemia foram proporcionados 20 treinos de futsal, no Instagram Escola de Leoas, para que as meninas conseguissem ver e realizar a atividade proposta. Foi uma iniciativa minha, mas que teve muita repercussão, porque o maior impacto em 2020 foi não termos conseguido realizar os treinamentos, por conta da pandemia – também pelas escolas estarem fechadas, e 90% dos polos hoje serem nas escolas municipais e estaduais de Lages”, lembrou Izabelly Woellner, a Bebel, coordenadora da Escola de Leoas.

Tudo começou no ano de 2015, quando as jogadoras – bolsistas da Uniplac e do Colégio Santa Rosa de Lima -, passaram a ministrar aulas de futsal feminino para crianças e moças (de cinco a 17 anos), de maneira gratuita. As aulas acontecem em polos escolares onde as próprias atletas profissionais, de alto rendimento, são as monitoras. O rendimento em quadra impressiona. Hoje, algumas das alunas já fazem parte até mesmo do time profissional de futsal.

“Conseguimos observar a evolução individual de cada criança, o desenvolvimento dela através do futsal, que é muito evidente. As crianças que sonham em ser jogadoras profissionais de futsal podem realizar esse sonho entrando na escolinha das Leoas, e no futuro ser uma Leoa. Já aconteceu hoje com uma goleira, que já se insere no profissional, a Millena Borssatto, que tem 18 anos de idade. Ela começou nas escolinhas em 2015 e hoje está no time principal. Ela não desistiu do sonho dela, e é isso que a gente sempre passa para as crianças: que nunca desista dos seus sonhos”, evidencia Bebel.  

Apesar desses resultados destacados, o balanço que pode ser passado do trabalho desenvolvido e do papel das Leoas na formação das crianças é ainda maior.

Millena Borssatto atua como goleira (Foto Fom Conradi Fomtography)

“O principal ponto do nosso trabalho hoje é desenvolvimento da criança, das capacidades físicas, o desenvolvimento motor, que ela consegue adquirir nesse trabalho do futsal. Ou seja, esse também é um dos objetivos da Escola de Leoas: que exista o desenvolvimento da criança. Através disso a gente consegue observar muitas meninas que hoje começaram desde o inicio conosco e já conseguem desempenhar um futsal de excelência, mas que ainda precisam de lapidação para se ingressar no time profissional”, exemplifica Bebel. Para ela, o grande propósito que se tem é buscar incluir socialmente as crianças que participam dos trabalhos desenvolvidos.

“O tipo de vínculo que a Escola de Leoas oferece às crianças, hoje, é a inclusão social, sem dúvida. É através dela que a gente consegue mostrar culturas diferentes, inserirmos sociabilidade entre as crianças – a inclusão propriamente dita, uma vez que as crianças hoje, que não tem um esporte para se praticar, e gostam do futsal, podem, praticá-lo, de forma gratuita, e ainda se beneficiando, ganhando equipamentos necessários para a prática do esporte. Por isso, o maior apoio que o projeto Escola de Leoas oferece hoje é a inclusão social, não visando classe social ou cor. A gente simplesmente quer atingir o maior número de crianças, mulheres, meninas, através do projeto. Essa inclusão social é o marco principal do projeto”, lembrou.

Mesmo no período com poucas competições, Leoas acumularam grandes resultados no ano

Embora com as dificuldades enfrentadas por todos no atípico ano de 2020, por conta da pandemia, o time principal das Leoas da Serra acumulou grandes vitórias nas poucas competições que foram realizadas. De acordo com a supervisora e ex-jogadora das Leoas Adriana Costa (Tiga), o próximo ano promete ser ainda melhor.

“A princípio estamos aguardando algumas reuniões com patrocinadores para começarmos a planejar nosso próximo ano. Temos um projeto pela lei do incentivo ao esporte aprovado e já iniciamos a captação. Com a pandemia e a falta de competições, tivemos que entrar de férias muito cedo em 2020, em novembro já. A preparação para a temporada iremos iniciar na segunda quinzena de janeiro, provavelmente. Porém, para começarmos a definir, precisamos de um calendário de competições – o que a princípio ainda não temos devido a pandemia. Em 2020 tivemos somente duas competições, a Supercopa e o Campeonato Estadual, e ambas saímos com o título”, exalta.

Estar vinculado ao Orion, onde as Leoas contam com o suporte para a captação de projetos e gerenciamento da parte administrativa do time, é uma grande demonstração da relevância e grandiosidade do trabalho construído.  

“O Parque Tecnológico é o principal vetor de inovação de Lages e Serra, e ter o Orion ligado ao projeto das Leoas mostra a importância do trabalho sério realizado por ambos os lados. Para nós, ter o suporte do Orion é fundamental para continuar inovando no cenário esportivo”, ressaltou.

Adriana Costa (Tiga) – (Divulgação – Redes Sociais)

Expectativa para 2021

Ainda que a pandemia não tenha acabado, Bebel projeta um 2021 bem mais auspicioso.

“Para 2021 a gente espera que as escolas voltem a se normalizar, porém a gente sabe que com a pandemia vai ser muito necessária a vacina. Se ela chegar já em janeiro a gente pretende retomar os treinamentos logo no primeiro trimestre do ano, para que possamos aproveitar o ano perdido de 2020. Mas queremos conseguir continuar levando essa prática e fazer o bem novamente a essas inúmeras crianças e meninas que vão para a escolinha de Leoas. Ou seja, a expectativa para o reinício é a melhor possível, a gente espera muito que essas aulas voltem, que as escolas mesmo voltem a funcionar, e que a gente consiga novamente juntar todas as crianças para que elas consigam desempenhar o futsal”, pondera.

Bebel divulgou aulas e exercícios para futsal no Instagram da Escola de Leoas

Sem comentários
Poste um Comentário

19 − seis =