fbpx

✅ Redes Sociais

🌎 Mapa

Blog

Parceria Épsilon e MIDILages reforça potencial de startups da região

Priorizando resultados e qualificando novos negócios, incubadora MIDILages e Orion Parque seguirão mesma trilha de acompanhamento consolidado pelo Parque Tecnológico há quase dois anos

Potencializar as parcerias com instituições que agreguem para o desenvolvimento regional sempre foi um dos motes do Orion Parque Tecnológico nestes mais de quatro anos de atividades. Iniciando o ano de 2021, essas iniciativas, mais uma vez, consolidam o Parque Tecnológico e demais agentes como promotores do ecossistema regional de inovação.

A novidade, dessa vez, é o reforço no desenvolvimento de canais próprios e específicos para a criação de empresas inovadoras: as chamadas incubadoras. Afinal, é graças a elas que o empreendedor consegue apoio para o desenvolvimento do seu negócio, como conceitos de gestão, assessoria contábil, aspectos jurídicos e muitas outras demandas que mentores técnicos podem oferecer, além acompanhamento constante para o desenvolvimento do negócio. 

Nesta perspectiva, a Uniplac e o Orion Parque anunciaram neste dia 19/01 a integração das atividades de suas duas incubadoras: O Micro Distrito de Base Tecnológica de Lages – Incubadora MIDILages e a Incubadora Épsilon, do Orion Parque.

“O benefício maior será para o Ecossistema, que faz com que todos os empreendedores saiam ganhando. Vamos integralizar a forma de trabalho, das duas incubadoras, teremos esses dois pontos de trabalho, mas trabalharemos juntos, o que gerará muito valor para o Ecossistema”, ressalta o líder de Empresas e Startups do Orion, Hemerson Schenato

O trabalho integrado entre as duas incubadora terá como foco a utilização da metodologia de trabalho da Épsilon, que desde meados de 2019 já desenvolve capacitações para o crescimento de negócios estreantes no Orion Parque. 

Desde lá, todas as empresas vinculadas a qualquer edital de residência do Parque (seja em Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação, Projetos Inovadores e Incubação) passam por uma trilha de atividades e fluxo de ações que tem a proposta de avaliar constantemente o desempenho dos empreendedores. No OrionLab, fase que antecede os editais de residência, as startups são escrutinadas com base nas hipóteses de problemas a serem resolvidos, como validação de problemas, hipóteses/validação da solução e estruturação para incubação.

O desenvolvimento de uma metodologia para que todas as empresas residentes do Orion Parque pudessem ser acompanhadas em um formato mais aproximado fez com que as empresas vinculadas evoluíssem com o passar do tempo, sendo assim necessário criar processos de acompanhamento mais estruturados e pró-ativos, ou seja, que não dependessem diretamente da procura das empresas sob demanda. 

“Como aqui dentro do Orion Parque estamos com uma metodologia de acompanhamento, essa parceria tem como objetivo que a gente traga essas empresas que estão dentro da MIDI Lages para que sejam acompanhadas pela nossa metodologia, pelo nosso modelo de trabalho”, indica Hemerson.  

Incubadora MIDILages, na Uniplac/Divulgação
Equipe de Startups e Empresas do Orion visitou a MIDILages na tarde de hoje/Divulgação
Equipe de Startups e Empresas do Orion visitou a MIDILages na tarde de hoje/Divulgação

A maturidade de um negócio é um dos fatores que indicam o quanto uma empresa está preparada para enfrentar os desafios do mercado, cada vez mais concorrido e disputado. Quando pensamos nas startups – empresas iniciantes que operam um modelo de negócio repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza – a taxa das que fecham as portas é expressiva.

Segundo dados compilados pela plataforma de investimentos Apex Partners, cerca de 90% das novas startups fracassam. Destas, 20% fecham as portas ainda no primeiro ano e 34% das startups encerram atividades nos primeiros dois anos. Pouco mais de 50% das empresas chegam ao quinto ano. Apenas 25% das empresas chegam à marca dos 15 anos e somente 1 em cada 10 sobrevive a longo prazo

Sofrer reveses durante a criação de uma startup é normal, e é importante que os empreendedores tenham consciência dos desafios e da ajuda para superar os problemas que aparecem. “Quando desenvolvemos a metodologia da Épsilon, a gente criou isso como uma visão de ativação de Ecossistema, isso é diferente de como você trabalha numa incubadora de um grande centro urbano. Aqui na região serrana a gente teve que ‘descer a régua´, e isso funcionou. A gente viu evoluir muito bem os empreendedores que estavam em estágio inicial, e fizemos isso através da metodologia. Acreditamos que isso vai funcionar com o pessoal da MIDI”, lembrou Schenato.

O Orion, hoje, tem números robustos sobre o acompanhamento de startups e negócios: mais de 100 projetos e empresas são acompanhadas nos programas de aceleração (Pequenos Negócios/MEIs e Projetos Sociais); mais de 1000 horas em mentorias, orientações e aconselhamentos realizadas com empresas e projetos e mais de 60 empresas vinculadas ao Orion Parque.

Hemerson Schenato/Divulgação

Empreendedorismo de necessidade x oportunidade 

O professor de empreendedorismo na Uniplac, Giovani Letti, tem uma visão interessante sobre o patamar pelo qual Lages passa no aspecto empreendedor. Para ele, há um momento de mudança pelo qual o empreendedorismo regional está passando.   

“Estamos também saindo do empreendedorismo de necessidade para o empreendedorismo de oportunidade. O empreendedorismo de oportunidade é aquele em que o empreendedor estuda, percebe uma oportunidade de mercado, planeja, prepara-se. É o que acontece nos EUA.”, lembra. 

“O padrão brasileiro ainda é o empreendedorismo de necessidade. O sujeito perde o emprego e cria um negócio rapidamente para se sustentar. Graças à existência do ecossistema de inovação, vemos cada vez mais empreendimentos de oportunidade em Lages”, ressalta. 

Na opinião do professor, a parceria mostra o quanto pode ser valiosa essa aproximação, que deverá ter repercussões em demais ações das duas instituições. 

“A UNIPLAC pode oferecer todo seu capital de conhecimento e capacidade de pesquisa, que é algo muito importante, principalmente para o empreendedor iniciante. Para as empresas que já validaram suas propostas de valor e estão estabelecidas no mercado, a UNIPLAC pode auxiliar no desenvolvimento de novos produtos, pois cada vez mais negócios inovadores se fazem com o auxílio da ciência. Além de, é claro, preparar e qualificar as pessoas que vão fazer essas empresas crescerem na economia do conhecimento. Já o Orion abre possibilidades fantásticas para os nossos alunos, transformando-se em um grande laboratório de empreendedorismo e inovação, onde as ideias podem ser colocadas em prática, tendo a orientação necessária para que isso ocorra. O Orion também tem conexões muito importantes no mercado, como programas de fomento e fundos de investimento. É uma parceria excelente, pois cada instituição complementa a outra”, finaliza. 

Giovani Letti/Divulgação

Potencial da MIDILages e expectativas de resultados da aproximação

Com quase 16 anos de trabalho, o Micro Distrito de Base Tecnológica de Lages – Incubadora MIDILages, na Uniplac, apoia projetos de incubação e pré-incubação, atuantes em setores tecnologicamente dinâmicos e que tenham na inovação tecnológica o diferencial de seus negócios. Atualmente a incubadora possui 24 empresas Incubadas sendo que destas 11 são empresas residentes, 04 são empresas pré-incubadas e 09 empresas não residentes. A Incubadora MIDILages possui estruturas ativas como sala de incubação, administração da incubadora, laboratório de empreendedorismo tecnológico, sala de treinamento, sala de reuniões e auditório.

Falando sobre o impacto da parceria, o Diretor Administrativo da Incubadora, Carlos Eduardo de Liz comentou sobre a expectativa do alinhamento com o Orion, tendo em conta que, na visão dele, os maiores desafios em promover o empreendedorismo acadêmico é a região sofrer com a baixa estima empreendedora e limitações de recursos financeiros. 

“Esta aproximação é muito favorável tendo em vista que o princípio dos ecossistemas de inovação são de que as empresas tenham seu nascimento dentro de uma Incubadora dentro de um período de tempo pré estabelecido, e após seu desenvolvimento sejam encaminhadas para um parque tecnológico onde terão continuidade. Além disso as mentorias e tutorias aproximações com instituições fomentadoras de recursos que seriam facilitadas pelo fato de estarem junto a um parque tecnológico”, ressalta o empresário, também presidente da ACIL

Carlos Eduardo de Liz/Divulgação

“Mais segurança e garantia às empresas assistidas”

“O principal benefício dessa parceria, entre Orion e MIDILages, é justamente de entrar nessa metodologia, nessa trilha que foi desenvolvida, que há uma proposta clara de acompanhamento, prazos e metas que precisam ser atingidas, tudo com apoio de mentores especializados. Isso dá uma segurança maior e uma garantia que as empresas que estão aqui sendo assistidas aqui na MIDI, conseguindo desenvolver seus negócios com mais assertividade, aumentando as taxas de sucesso das empresas incubadas”, evidenciou Hernani Alves Melo, da Printwayy, startup de tecnologia especializada em desenvolvimento de software para o mercado de outsourcing de impressão que já faz parte da MIDI há sete anos.  

Hernani Melo/Divulgação

Evento online selou o compromisso das incubadoras

Em evento online, realizado na noite de terça-feira (19), a MIDLages e o Orion Parque selaram a parceria, ressaltando que tudo isso só foi possível graças a um edital da FAPESC, que destinou R$ 150 mil para essa iniciativa, tendo, segundo o projeto, o objetivo de “apoiar o desenvolvimento das empresas vinculadas à incubadora do Centro de Inovação de Lages  no Orion Parque e das vinculadas à incubadora MIDILages, através de parceria com a Universidade  do Planalto Catarinense, visando o desenvolvimento do ecossistema de empreendedorismo inovador da região serrana como um todo, com o intuito de manter e ampliar a criação de novos negócios,  trabalho e renda, proporcionando maior capacitação dos empreendedores, com a finalidade de maximizar os resultados positivos que o ecossistema regional já vem atingindo”. 

Na oportunidade, algumas pessoas comentaram sobre a expectativa do projeto a ser desenvolvido: 

Claiton Camargo – diretor-executivo do Orion Parque: 

“Diferentes habitats de inovação, unindo forças, para promover mais ainda as startups. Nós aqui em Lages estamos desenvolvendo um grande trabalho. O nosso ecossistema, para todo estado de SC, trabalha ainda mais promovendo o networking. Sabemos o quanto essa parceria com a FAPESC é importante. Temos a certeza que o fomento da FAPESC é importantíssimo para a região e quem ganha é a cidade. Essa parceria da Épsilon com a MIDILages é essencial”. 

 Amauri Bogo – Presidente interino da FAPESC: 

“O Orion está se tornando referência a nível de estado. Vocês são referência para os Centros de Inovação. A academia sempre foi muito distante da inovação tecnológica. Precisamos trazer mais ainda as universidades e NITs para que eles sejam mais ligados, interconectados. A FAPESC é um agente de políticas públicas e é muito importante já que esse edital é apenas uma das coisas que fazemos, porque não basta o Centro de Inovação, temos que fortalecê-lo. Cada uma dessas ações está sendo utilizada em ações integradoras.  Vocês estão trabalhando numa região que mostra mais do que Centros de Inovação de regiões mais favoráveis. Enquanto FAPESC não fazemos mais que a nossa obrigação. Damos acesso aos recursos públicos. Em 2021, já demos uma previsão de um novo edital para os Centros de Inovação, no valor de R$ 3 milhões. Esperamos que possamos divulgar essa chamada em breve” 

Prof. Kaio Amarante – Reitor da Uniplac:

“A palavra que será mais proferida será parceria. De fato temos vivenciado, com a coirmã da Uniplac, mantidaed pela FUNIPLAC, MIDILages e vemos o quanto a entidade cresceu, se desenvolvendo, em suas várias fases. Dessa parceria enxergamos o propósito, com o objetivo de desenvolver o ensino, pesquisa e extensão. Só teremos um cenário favorável se focarmos nisso. Trata-se de uma cadeia produtiva, voltada para todos os setores, das mais diversas áreas, e é com muito orgulho que a Uniplac e o Orion percebem e recebem isso. Unificar processos e a execução dessa trilha de acompanhamento das empresas só nos dá certeza do crescimento das nossas instituições e empresas. Precisamos pensar no desenvolvimento regional e não podemos separar o crescimento da inovação com a força de vontade dos nossos empreendedores”.  

Valmir Tortelli – Presidente do Conselho de Administração do Orion:

“Isso é muito importante para nós do Orion, junto dessa parceria com a  MIDI. Além de esse recurso vir para essa instituição, criando e fomentando a inovação para Lages e região, ele vem muito forte para que possamos passar o conhecimento para as empresas e incubadoras. Isso é o nosso trabalho, de levar para quem precisa. Essa união não é somente de uma instituição, mas de vários atores como Orion/Uniplac/CDL e ACIL. Veremos o reflexo disso diretamente no nosso ecossistema”. 

Carlos Eduardo de Liz – MIDI Lages/ACIL

“Nos idos de 1998 foi produzido um plano de desenvolvimento tecnológico. E ali já se falava de um ambiente tecnológico na nossa região. Foi a partir disso que conseguimos fazer esse repasse de agora. Em todos os momentos conseguimos fazer com que a MIDI estivesse cheia. A viabilização do Orion Parque foi uma grande conquista. Iniciamos em 1998 e isso é associativismo, nada mais é do que dar continuidade o que tínhamos feito em todos esses anos. Nós hoje somos protagonistas do desenvolvimento regional. Isso é o próximo passo. Queremos o desenvolvimento empresarial e empreendedor. Estou entusiasmado pela parceria, para darmos exemplo para o resto do estado”. 

Prof. Maria de Lourdes Borba Magalhães – Scienco

“Nunca pensei em abrir uma empresa, mas foi devido ao Ecossistema de inovação que estava acontecendo na cidade que me envolvi, criei networking e vi que poderia dar certo. No início tínhamos uma ideia muito acadêmica, inovadora, mas que precisava trilhar todo um caminho longo, desenvolvendo vários projetos que se mostraram inviáveis, com o passar do tempo, mas que foi com o apoio do ecossistema que criamos e entramos no Orion Lab. Foi aí que passamos a ter contato com o Orion que a Scienco foi se reconhecendo como uma empresa de verdade”. 

Hernani Alves Melo – Printway

“Minha jornada se confunde com a da MIDI Lages, iniciando logo em  2005. Depois disso resolvi empreender novamente. No final de 2015 fiz parte da MIDiLages novamente. Hoje estamos com 22 pessoas na Printwayy, e a MIDI nos deu todo o suporte na infraestrutura e espaço para utilização da incubadora. As minhas expectativas são as melhores possíveis. Os empreendedores costumam se isolar, e faz muita falta essa troca, ter uma visão de fora do teu negócio, e é justamente isso que acelera e faz desenvolver os negócios. Tenho uma expectativa muito boa para que isso passe a fazer parte de todas as empresas da MIDI, e façamos essa troca positiva”. 

Amauri Bacci – Secretário municipal de desenvolvimento 

“Quero agradecer e parabenizar a MIDI e Orion, por essa parceria tão importante para a cidade e região. Cada vez mais temos que estreitar os laços. Faz quatro anos que estamos junto ao Orion e queremos fomentar mais ainda a parceria, enquanto prefeitura, para que juntos possamos fazer uma maior qualificação para Lages. Queremos sempre ser uma parceira do Orion. O Orion é uma extensão nossa e isso é muito positivo e é um esforço conjunto. Essa parceria ajuda na criação de novas startups. E essa parceria não tenho dúvida que vai ajudar ainda mais nesse crescimento”. 

Presidente do CIASC – Sérgio André Maliceski

“O governador tem pautado que é muito importante o fortalecimento desse ecossistema. Se não tivermos políticas públicas que integrem todos os atores, nada é possível. Ficamos muito contentes pelo edital da FAPESC e esse programa de incentivo, quando vemos que está sendo executado, vemos de concreto o quanto é importante esse trabalho que está sendo realizado em 2020. No final do ano passado foi inaugurado o nono centro de Inovação, e acreditamos que todos os Centros vão gerar mais ainda a transformação de um modelo em SC. Isso faz com que a inovação em SC seja referência”. 

Como funciona a Trilha de Acompanhamento?

Para entender como as startups da MIDILages passam a fazer parte, agora, do acompanhamento do Orion é importante entender as particularidades de uma incubadora em uma cidade com Lages. No Parque Tecnológico, o trabalho da estruturação da incubadora precisou realizar um estudo dos processos das principais incubadoras brasileiras, para que pudesse ser implantada nos nossos processos. Porém, o problema identificado durante a pesquisa, foi que os processos desenhados funcionavam muito bem para grandes centros de negócios, onde o nível de maturidade das empresas e startups era bem elevado – muito diferente do nosso cenário regional, onde possuímos poucas startups e uma baixa maturidade de negócios.

Para que conseguíssemos indicar em qual etapa as empresas iriam começar a sua jornada dentro do Centro de Inovação, foi criado uma comparação entre a etapa e a maturidade de negócios, conforme a figura abaixo:  

#FAPESC, #FAPESC.SC, #FAPESC.GOV 

Confira a versão completa para download desta matéria neste link.

Sem comentários
Poste um Comentário

15 + dezessete =