fbpx

✅ Redes Sociais

🌎 Mapa

Blog

Quiron, startup do Orion, recebe aporte de R$ 750 mil

Com crescimento consolidado há dois anos, startup especializada no monitoramento de ameaças florestais recebe aporte de 750 mil reais de investimento. “É um marco no nosso ecossistema”. Startup investida é hoje uma das únicas startups no país e poucas no mundo com atuação voltada, exclusivamente, para algoritmos no setor florestal

Depois de um 2020, com resultados que superaram as expectativas, os empreendedores da Quiron – startup que está incubada no Orion Parque, em Lages – já tem muito o que comemorar em 2021. A empresa, que é especializada no monitoramento remoto de ameaças florestais, utilizando tecnologias para predição de incêndios e sanidade florestal, recebeu aporte de R$ 750 mil reais de investidores da Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos, criada para fomentar o investimento anjo e apoiar o empreendedorismo de inovação no país.



O investimento anjo tem como finalidade proporcionar aos investidores interessados a aplicação financeira em negócios com alto potencial de retorno que, consequentemente, tem um grande impacto positivo para a sociedade, trazendo oportunidade de trabalho e de renda. O termo “anjo” é utilizado pelo fato de não ser um investidor, exclusivamente financeiro, que fornece apenas o capital necessário para o negócio, mas por apoiar o empreendedor, aplicando seus conhecimentos, experiência e rede de relacionamento para orientá-lo e aumentar suas chances de sucesso, conforme explica a entidade.

A possibilidade da Quiron receber o investimento – apoio tradicionalmente comum entre as startups – foi viabilizada pela Rede de Investimentos Anjo (RIA), uma iniciativa conjunta da Anjos do Brasil e da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE). A RIA SC é uma comunidade que aproxima pessoas físicas que querem investir em startups a empreendedores que desenvolvem produtos e serviços com potencial de crescimento em escala

“Nós recebemos o contato deles num dia, e dois dias depois, o pitch foi apresentado a mais de 80 investidores da Anjos do Brasil. Na sequência, mais de 30 deles demonstraram interesse. Passamos por comissões internas que fizeram todo o processo de verificação, de modelagem de negócios, de tração, avaliando todos os parâmetros da nossa empresa, que são levados em conta na hora de procurarmos um aporte financeiro. Se não fosse a Anjos do Brasil, com certeza não conseguiríamos chegar até aqui”, lembra Diogo Machado, responsável pelos novos negócios da Quiron.

Segundo Celso Sensini, investidor líder, a Quiron tem muito a crescer com o novo aporte. “Enxergamos, após extensa avaliação da empresa, um ótimo potencial da Quiron no setor Florestal, não apenas no Brasil, mas em diversos países do mundo, como: Estados Unidos, Europa e Austrália. Este é um segmento com muitas oportunidades e estamos confiantes na capacidade de entrega dos sócios fundadores”.

Diogo Machado é diretor de marketing na Quiron

História de sucesso em dois anos de atuação 

A história da Quiron se confunde com a inovação tecnológica que o setor de engenharia e sensoriamento florestal teve nos últimos anos. Sempre ligada ao ecossistema de inovação e sabendo da importância que a conexão com outros players – locais, regionais, nacionais e internacionais – impactam o negócio, a Quiron teve uma ascensão robusta.

A startup começou no ano de 2018, já incubada no Centro de Inovação do Orion Parque Tecnológico e, desde lá, tem acumulado conquistas e bons resultados em oportunidades de investimentos e programas de capacitação do negócio empreendedor. No mesmo ano, a Quiron foi aprovada no Sinapse da Inovação, promovido pelo Governo do Estado de Santa Catarina.

De lá para cá, também teve a oportunidade de fazer parte do Forest Insight, da UFV, no Brasil, em 2019, e de ser a  única startup brasileira selecionada para o Salto Growth New Norm, promovido por fundadores das principais startups da Estônia, em maio de 2020.

Já em setembro do ano passado a Flareless, também da Quiron, foi aprovada para o Batch da Plug and Play Insurtech, estando apta a construir produtos e serviços para as maiores seguradoras do mundo. 

Já em dezembro de 2020, participando do InovAtiva 2020.2, maior programa de Aceleração de Startups do país, a Quiron conseguiu um excelente resultado com o primeiro lugar na Banca de Agronegócio na aceleração 2020.02

O dinheiro que será aportado agora, vindo de um grupo de entusiastas investidores, que começam a ver o negócio de startups do setor agro como um diferencial competitivo, consolida um mercado em ascensão, mesmo no período de pandemia. 

Para os empreendedores da Quiron, o investimento faz sonhar grande. É o que conta Gil Pletsch, CEO da startup. “Com esse aporte de recursos, será possível estruturarmos melhor a nossa equipe de produção e pesquisa, nosso setor de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento). Precisaremos de mais profissionais que tenham mais conhecimentos na área florestal, conhecimento de programação, geoprocessamento, além de, aperfeiçoar os produtos que já temos e desenvolver outras automações que precisam ser feitas”, ressaltou.  

Crescimento em escala, com tração de investimento 

Indicativo de riscos de incêndio

Segundo Diogo, a Quiron é hoje uma das únicas startups no país e poucas no mundo com atuação voltada, exclusivamente, para algoritmos no setor florestal, um segmento com grande demanda por inovações. “É muito interessante essa visibilidade que podemos obter. Na verdade, somos uma das únicas startups do Brasil e do mundo que trabalha com algoritmos e sensoriamento via satélite para florestas. Existem várias startups para o agro tradicional, com um mercado mais consolidado, mas com foco em floresta, são poucas”, ressalta ele.

A tecnologia desenvolvida pela Quiron, via monitoramento remoto, permite mitigar perdas com ameaças florestais, como pragas, doenças e incêndios. Via algoritmos próprios, é possível analisar grandes extensões de terras e identificar áreas de ataque de pragas e doenças em florestas plantadas e também identificar áreas com maior risco de ignição de incêndios florestais. A empresa tem parcerias com players de todo o mundo para obter dados de satélites e nano satélites, colocando todas essas variáveis dentro dos seus modelos. Dessa forma, empresas florestais, de celulose e outros territórios podem monitorar ameaças de uma forma totalmente remota, dando às equipes de campo maiores subsídios na tomada de decisão.

Algoritmo indica proporção de crescimento entre as espécies analisadas

Futuro da startup 

Além de Gil e Diogo, a startup ainda conta com a ajuda de Marcos Benedito Schimalski, professor de Engenharia Florestal da Udesc-Lages.  No total, são quatro fundadores diretamente envolvidos com a Quiron atualmente. A expectativa é de que, até o final do ano, cerca de 15 pessoas integrem o time. Além de incrementar o setor de pesquisa e desenvolvimento da startup, a ideia é utilizar os recursos para estruturar um setor de vendas escalável.

“O recurso será importante também para expandirmos nosso desenvolvimento de mercado, criar a estrutura de máquina de vendas, enfim, toda parte de pré-venda, fechamento de vendas e relacionamento”, salienta Gil. Hoje a Quiron possui clientes ativos no Brasil e Portugal, mas já mira outros mercados potenciais, como Estados Unidos e outros países da Europa. 

Gil Pletsch, CEO da Quiron

Apoio do Orion fomenta startups na região

Com apoio do Orion Parque Tecnológico, o setor de startups e empresas do Instituto auxilia as startups a se desenvolverem, inserindo elas aos editais que integram ao Centro de Inovação, oferecendo suporte técnico para transformar ideias em projetos para ingresso nos editais de residência. Foi nesta modalidade, chamada OrionLab, que a Quiron entrou, em 2018, no Orion.  

Hemerson Schenato, líder do setor de Startups e Empresas no Orion Parque Tecnológico

“A Quiron sempre teve um potencial, tanto nas hipóteses de negócios, tanto no capital intelectual dos empreendedores, o time deles de empreendedores é muito forte – isso contribuiu muito para a evolução da solução. A nível de ecossistema, esse aporte que eles estão recebendo é um marco para a gente, porque é a primeira startup que vai receber esse montante em investimento externo, por mérito total dos empreendedores, e da solução, do negócio deles”, salienta Hemerson Schenato, líder de startups e empresas do Orion.

Sobre Anjos do Brasil

A Anjos do Brasil é uma organização sem fins lucrativos de fomento ao investimento anjo e apoio ao empreendedorismo de inovação. Fundada em 2011, atua em três verticais, rede de investidores anjo, produção de conhecimento e políticas públicas. Participam da rede da Anjos do Brasil mais de 560 investidores em 16 Estados nos quais conta com o suporte de líderes que exercem atividades voluntárias para incentivar o investimento anjo. Mantém parcerias com redes internacionais, como a GBAN – uma comunidade global de redes de investimento anjo, que tem como objetivo fundamental a colaboração e investimento entre investidores anjo de diversos países, além de trazer conhecimento e engajamento sobre o papel fundamental de investidores anjo no crescimento de startups.

Com informações assessoria de imprensa da Anjos do Brasil   

Core Group (coregroup.com.br)

Sem comentários
Poste um Comentário

18 − 15 =