fbpx

Redes Sociais

Mapa

Blog

IFSC Lages oferece consultoria gratuita para empresas da região; startups do Orion podem se candidatar

Foto: Rafael Xavier dos Passos

Até o dia 15 de maio, o IFSC Lages oferece a Micro e Pequenos Empreendedores (MPEs) e Empreendedores Individuais (MEIs) de Lages e região a possibilidade de recebimento de consultoria gratuita do Câmpus Lages. A ação faz parte do escopo do edital IF Mais Empreendedor, que selecionou três projetos do câmpus para auxiliar no atendimento, apoio e orientação nas áreas de branding (marcas), marketing e estratégias para vendas em agronegócio. 

Serão 15 empresas ou empreendimentos atendidos, sendo cinco em cada um dos três projetos. No projeto Startups: go ahead, startups vinculadas ao Centro de Inovação de Lages – Luiz Henrique da SIlveira, no Orion Parque Tecnológico, terão atendimento preferencial.

Os interessados devem possuir CNPJ e serão analisados os ramos de atuação das organizações e a suas justificativas em relação aos objetivos gerais que deverão ser alcançados pelos projetos e estabelecida uma ordem de classificação. As empresas poderão se candidatar em mais de uma modalidade. Os resultados serão divulgados depois do prazo final das candidaturas. 

Para o líder de startups e empresas do Orion Parque, Hemerson Schenato, a iniciativa traz grandes benefícios para a articulação do ecossistema na região. “É muito interessante ver a aproximação da academia, que pode nos traz grande know how em áreas fundamentais para as nossas empresas incubadas e inseridas no Orion Parque. Para nós isso é totalmente válido”, afirmou.  

Saiba mais sobre cada um dos projetos

Startups: go ahead: coordenação da professora Larisse Kupski.

Prof. Larisse Kupski (divulgação)

“As startups, assim como a maioria das pequenas empresas, normalmente têm alta taxa de mortalidade, por estarem em estágio inicial. Com a pandemia ficou mais difícil ainda sobreviver, pois muitas precisaram de uma adaptação ao mercado rapidamente, algumas tendo que mudar até seu escopo inicial. O nosso projeto prevê para essas empresas uma consultoria em ações mercadológicas, analisando ambientes interno e externo, mercado consumidor e buscando um melhor posicionamento dessas empresas frente aos novos desafios”, conta Larisse.

Ao final as empresas receberão um plano de apoio feito a partir da análise do ambiente. O projeto pretende atender microempreendedores individuais (MEI), microempresas (ME) ou Empresas de Pequeno Porte (EPP) vinculados, preferencialmente, ao Centro de Inovação de Lages Orion Parque Tecnológico.

Segundo Larisse, a escolha pelo Parque Tecnológico como ponto de partida para a articulação com startups da região foi estratégico. “Quando a gente pensou nas startups, a gente já pensou no Orion como um parceiro, que é vizinho ao IFSC. A gente já está acostumado a participar, inclusive de ações e atividades propostas, pelo Orion. Dois desses projetos estão vinculados ao LIDERE, que é o Laboratório de Inovação em Desenvolvimento Regional e Empreendedorismo, que está sendo estruturado agora em 2021, com uma cooperação que nós temos com o próprio Parque”, completou.  

As ações efetivas devem oferecer suporte a professores e bolsistas que, a partir do suporte de ferramentas de gestão, terão a capacidade de verificar mudanças significativas ocorridas no mercado de atuação da empresa em virtude da pandemia e propor soluções inovadoras para subsidiar futuras tomadas de decisão por parte dos mesmos. As empresas atendidas pelo projeto serão, preferencialmente, startups ligadas ao Orion Parque Tecnológico que atravessam um período extremamente arriscado (os anos iniciais de funcionamento da empresa) e que foi agravado pelas incertezas mercadológicas trazidas pela pandemia.

O projeto almeja auxiliar as empresas em seus desafios mercadológicos, compreendendo especialmente os reflexos da pandemia da Covid-19 nesses processos. Assim, a construção de estratégias mercadológicas, considerando os desafios sociais e econômicos decorrentes da pandemia se mostram relevantes. 

“O projeto é mais amplo, focado numa consultoria na área de marketing que pode, durante a análise ambiental junto à empresa, determinar que o que a empresa precisa é melhorar a sua gestão da marca e também precisa de um branding book, que é um guia para as suas marcas, ou produtos da empresa. De toda forma, pode ser que, durante a análise ambiental, outras deficiências de marketing sejam consideradas mais importantes. e aí a empresa receba uma consultoria na área de canais de distribuição, de definição de produto, de precificação, ou outra questão relacionada ao marketing” comentou Thiago Meneghel, um dos professores envolvidos na iniciativa. 

Nesse sentido, os resultados esperados são o de permitir uma organização ou reorganização da empresa em relação ao seu mercado-alvo permitindo que as relações mercadológicas afetadas pela pandemia sejam minimizadas e o relacionamento entre a empresa e seus clientes (atuais e potenciais) seja fortalecido no curto, médio e longo prazo.

Prof. Thaigo Meneghel (divulgação)

LIDERE BRAND: marcas locais, estratégias globais: coordenação do professor Thiago Meneghel.

O objetivo do projeto é propor soluções para a gestão da marca de produtos típicos da Serra Catarinense afetados pela pandemia da Covid-19, em especial, o queijo artesanal serrano (que recebeu a concessão da Indicação Geográfica – IG “Campos de Cima da Serra” na modalidade Denominação de Origem – DO pelo INPI durante a pandemia), os vinhos de altitude e a manufatura do couro.

“Queremos sugerir ações na área de gestão de marcas, especificamente em empresas de produtos típicos regionais, como as de queijos serrano, vinhos de altitude e produtos manufaturados de couro. Em especial o queijo, que recebeu em março a identificação de origem (geográfica) que é um selo dado pelo INPI, justamente quando iniciou a pandemia, em março de 2020. Então, o projeto pretende trabalhar com a criação e reputação dessas marcas. Ao final de seis meses queremos entregar a essas empresas um brandbook, um manual de gestão da marca”, explica Thiago.

Estratégias de cadeias curtas de comercialização para pequenas e médias propriedades agrícolas familiares da Serra Catarinense, como alternativa à superação de crises provocadas pela pandemia COVID-19: coordenação do professor Fernando Domingos Zinger.

“O objetivo é ensinar algumas estratégias. Por exemplo, como um agricultor pode fazer um delivery? Esse foi um dos pontos levantados pelos agricultores da Rede Ecovida. A maioria deles era feirante e de repente se viu com essa necessidade de entregar os produtos aos comércios e consumidores. A capacitação será virtual durante a pandemia e queremos ajudá-los a trabalhar com as novas tecnologias para que consigam se comunicar, criar uma rede de clientes e etc”, destaca Fernando.

O coordenador aponta que o objetivo é trazer pessoas que possam compartilhar experiência com esses agricultores, que são um grupo formado por pessoas de diferentes níveis de escolaridade. Às vezes o que pode parecer simples, para muitos é de extrema importância.

Os interessados devem entrar em contato no e-mail fernando.zinger@ifsc.edu.br.

Para fazer as candidaturas, acesse os links: 

Startups: go ahead – https://plid.in/goaheadorion 

Lidere Brand – https://plid.in/lidere 

Com informações: IFSC

Sem comentários
Poste um Comentário

um × 2 =