fbpx

✅ Redes Sociais

🌎 Mapa

Blog

Etapa das reuniões devolutivas da Conferência de CTI é realizada na região Serrana

Abertura da Etapa Devolutivas Regional Serrana

Foi realizada nesta quinta-feira, 13, na região Serrana, a segunda reunião das devolutivas da VI Conferência Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (CECTI). Foram apresentados os resultados dos encontros realizados em abril – que mapearam as percepções dos representantes de cada setor sobre a CTI de sua região –, comparando-os com a conferência de 2015. O Orion Parque é o host regional do evento.  

Ainda neste mês serão realizados encontros nas outras quatro regiões – além da Serrana, já foi realizado o encontro de Florianópolis. A próxima será no Sul, na terça-feira, 18/05, a partir das 8h30min. Haverá transmissão on-line pública e gratuita, e as inscrições continuam abertas no site da conferência.

A VI CECTI é organizada pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) em parceria com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e com a Rede Catarinense de Centros de Inovação. Devido à pandemia, a conferência está sendo feita de forma on-line. 

Até agora, a conferência contou com 805 inscritos, sendo 44 da região Serrana. Ao todo, participaram 282 organizações – 15 na Serra. Além disso, 1165 assistiram ao evento no YouTube, 142 na região Serrana. 

O professor Roberto Pacheco, coordenador do Programa de Pós-graduação de Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), responsável pela metodologia, apresentou os resultados, que foram debatidos com representantes dos seis Grupos de Trabalho. “Hoje é o dia de conhecer os resultados e o comparativo com a conferência de 2015. Vamos ver a diferença entre o que os serranos percebem agora sobre seu sistema regional de CTI em 2021, comparativamente com 2015”, explicou.

Confira a íntegra da reunião:

Apresentação de resultados

O secretário do Desenvolvimento Sustentável, Luciano Buligon, ressaltou a importância da conferência. “É um momento de ouvirmos todas as regiões, ajustarmos nosso ecossistema, fazermos uma comparação entre 2015 e 2021, dos avanços, dos acertos, das políticas que deram certo, daquelas que efetivamente não se concretizaram. Essa é a etapa que vai projetar o documento final, que vai acontecer em junho. Dessa devolutiva sairá um documento importantíssimo para projeção dos próximos anos na nossa política de ciência, tecnologia e inovação em SC”. 

O presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, afirmou que conhecer a percepção dos atores de CTI é fundamental para o planejamento de políticas públicas. “Esse levantamento de informações é extremamente importante para aprofundarmos ainda mais o conhecimento de cada uma das regiões sobre esses indicadores, que são importantes para nosso sistema de CTI. E, a partir disso, fazer não só um comparativo com 2015, ver o que mudou, mas planejar novas políticas públicas e novas estratégicas para o Estado de Santa Catarina. É importante reforçar que quando falamos em planejamento, estamos falando de todas as hélices: do governo, da academia, do setor empresarial e da sociedade civil organizada”.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapesc, Amauri Bogo, lembrou que Santa Catarina está fazendo a conferência mesmo que nacional deixou de ser realizada regularmente. “Santa Catarina, como sempre, é referência nacional. As conferências nacionais há muitos anos não acontecem mais regularmente, mas nós continuamos, independente da situação da pandemia, que tem trazido tanto desgosto, tanto ressentimento à população. Continuamos focados, trabalhando. A Fapesc vem fazendo sua contribuição em fazer este levantamento”.     

O Reitor da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), Kaio Henrique Coelho do Amarante, representou o setor acadêmico na mesa de abertura. “Este é um momento especial. Não temos como pensar em planejamento sem uma análise da situação atual. Movimentos como este nos permitem ter subsídios de uma forma muito rica”, avaliou. “A ideia é unir forças, criar um ambiente sinérgico, para que juntos possamos desenvolver cada vez mais e melhor o nosso ecossistema”.

Claiton Camargo de Souza, coordenador do Centro de Inovação Luiz Henrique da Silveira – Lages, afirmou ter boas expectativas com os resultados dos encontros. “O resultado que a gente está visualizando hoje, de tudo o que foi levantado e discutido, é positivo para nossa análise. Enquanto Centro de Inovação, essa leitura é muito importante. Fortalece e subsidia e serve de base para o nosso planejamento estratégico das ações do Centro de Inovação para o desenvolvimento da região”.

Encerramento da Etapa de Devolutivas da Região Serrana

Confira o documento com os resultados apresentados na Regional Serrana

Com informações FAPESC

Sem comentários
Poste um Comentário

14 + vinte =