fbpx

Redes Sociais

Mapa

Blog

Orion Week – #dia 5 – Aceleração de Territórios, impactos da RCCI e Ecossistemas de Inovação pelo estado e Inovação como vetor de desenvolvimento econômico

O penúltimo dia do Orion Week, nesta sexta-feira, foi reservado à Aceleração de Territórios, painéis temáticos sobre os impactos dos Ecossistemas de Inovação nos territórios e debate da Inovação como vetor de desenvolvimento econômico. O Orion Week é um evento gratuito que começou na segunda-feira (21) e tem a programação completa no site plid.in/orionweek, seguindo com atividades até sábado (26), sempre com transmissões no You Tube do Orion Parque

A palestra de Diogo Machado, sobre Aceleração de Territórios, abriu os trabalhos da tarde. Diogo é co-fundador e líder de marketing na Quiron Agrodigital, startup incubada no Orion que realiza monitoramento de ameaças florestais. Nos últimos anos, Diogo também desenvolveu mais de 60 projetos de posicionamento estratégico para diferenciação de marcas, negócios e ecossistemas, em inúmeros segmentos de mercado. Uma delas resultou no projeto Lages Estreitando Laços

Na primeira etapa do projeto, ainda em 2019, foi realizada extensa análise de Lages, incluindo levantamento de informações relativas à cultura, população, ameaças e tendências. Essa etapa culminou na atividade de diagnóstico de território, na qual foi possível extrair informações e princípios norteadores para o território.

Num segundo momento, foi proposto mudanças de posicionamento, comportamento e place branding para a cidade de Lages, com definições de um propósito único, valores, personalidade, comunicação e estratégias para cada segmento e objetivo do território.

“No trabalho de aceleração de territórios, temos que aos poucos validarmos nossas repostas e mini-entregas que fazemos, porque sem isso não temos um completo entendimento dela. Precisamos definir, selecionar, definirmos objetivos claros, e termos um entendimento do ponto ideal esperado”, ressaltou Diogo.

O trabalho construído em Lages pode ser visualizado, na íntegra, no link: Novos Tropeiros. 

Entre os aspectos que Diogo ressaltou como fundamentais para um novo olhar sobre o território, destaca-se a criatividade. “Criatividade é controle, ela é controlável. Normalmente a gente acha que ela surge do nada, mas não encontra resultados. Criatividade é caos. Esse é o maior fator influenciador de criatividade, e precisamos ter ‘acabativa’, e não só iniciativa”, exemplificou.

No segundo encontro do dia, o painel sobre “A Rede de Centros de Inovação e o desenvolvimento de ecossistemas de inovação pelo estado” teve a participação de Claiton Camargo, Fabio Zabot, Iuana Réus Abella, gerente da Rede Catarinense de Centros de Inovação de Santa Catarina e Clarissa Teixeira, do Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (PPGEGC) da UFSC e VIA Estação Conhecimento,  e Guilherme dos Santos Murara, gerente de formação para profissionais do futuro e negócios inovadores da SDE/SC. 

Iuana falou sobre importância do trabalho em rede, que já vem sendo pela rede de Centros há pelo menos 10 anos, marca pela qual o Instituto Orion, gestor do Orion Parque, opera.  “Os centros tem que trabalhar em rede. Isso desde ei início. Trabalhar em rede significa ampliada capacidades , de forma prática, trabalhando com colaboração. Precisamos desenhar estratégias para cortar caminhos”, ressaltou.

Fabio Zabot lembrou o impacto negativo que fatores particulares podem ter dentro do desenvolvimento da rede de Centros e Ecossistema. “A gente precisa retirar os egos, essas competições locais que as vezes tem, para ter a maturidade necessária precisamos abrir mão para dar o não, muitas vezes para que não deixem frustrados nossos parceiros do ecossistema”, ponderou.

Guilherme, que veio pela primeira vez no Orion, gostou muito do que encontrou aqui. “Fiquei contente de conhecer o espaço, imagino que a partir da construção e cada vez mais, da consolidação dele, impulsione outros projetos”, lembrou.

Lançamento de edital da FAPESC

Fabio Zabot aproveitou o espaço do Orion Week para fazer uma apresentação especial do novo edital da FAPESC: Edital de Chamada Pública Fapesc nº 24/2021 – Mapeamento do Processo de Desenvolvimento do Ecossistema de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de Santa Catarina. O objetivo da chamada é oferecer bolsas de pesquisa que resultem em trabalhos que de caráter histórico e bibliográfico, que se relacionem  ao processo histórico de desenvolvimento do Ecossistema Catarinense de Ciência, Tecnologia e
Inovação, sobretudo nos últimos 25 anos.  Os temas das 25 pesquisas que serão realizadas, oferecidas com recursos pelo edital, versam sobre questões como:

  1. A FAPESC e sua jornada de 25 anos;
  2. A Rede Catarinense de Tecnologia – RCT;
  3. Os Parques Científicos, Tecnológicos e de Inovação catarinenses (Sapiens Parque, ParqTec Alfa, dentre outros);
  4. A Rede Catarinense de Centros de Inovação;
  5. A FIESC e a inovação na indústria catarinense;
  6. Os programas de Pós-graduação das universidades catarinenses;
  7. Programas e parcerias com Agências Nacionais de CTI e seus impactos em Santa Catarina (FINEP, CONFAP, CNPq, CAPES, ANA, EMBRAPII, INPI, MCTI, Ministérios, dentre outros);
  8. O Sistema ACAFE e sua contribuição para o Ecossistema de CTI;
  9. Universidades e Institutos Públicos Federais (UFSC, UFFS, IFC, IFSC) e suas contribuições para o Ecossistema de CTI;
  10. As Incubadoras de Empresas em Santa Catarina;
  11. Os Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) de Santa Catarina;
  12. Os ativos de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia dentro do Ecossistema Estadual de CTI;
  13. A ACATE e sua contribuição para o Ecossistema de CTI;
  14. O SEBRAE/SC e sua contribuição para o Ecossistema de CTI;
  15. A Fundação CERTI e sua contribuição para o Ecossistema de CTI;
  16. Arcabouço legal de CTI (nacional e estadual) e seus impactos em Santa Catarina;
  17. A FACISC e as principais organizações empresariais catarinenses;
  18. O Pacto pela Inovação de Santa Catarina;
  19. Estudo e levantamento de cases da inserção e/ou alavancagem profissional de mestres e doutores bolsistas egressos da FAPESC;
  20. A inovação e os entes públicos do estado SC (Governo do Estado, Alesc, MPSC, TJSC, TCE/SC, UDESC, Programas Municipais, dentre outros);
  21. Conexões internacionais em CTI de Santa Catarina e os programas da FAPESC;
  22. Os principais laboratórios de CTI de Santa Catarina, vinculados a ICTIs;
  23. Programas de Pesquisa da FAPESC (mapeamento de resultados e estudo de impactos);
  24. Programas de Inovação da FAPESC (mapeamento de resultados e estudo de impactos);
  25. Programas de Difusão da FAPESC (mapeamento de resultados e estudo de impactos).

Fechando o dia, foi o momento de falar sobre “Inovação como vetor de desenvolvimento econômico”, com Fabio Zabot, Juliano Polese, vice-prefeito de Lages, Gerson Omar dos Santos, presidente da Câmara de Vereadores de Lages, Thiago Moraes, coordenador de desenvolvimento socio-econômico e inovação da Federação Catarinense de Municípios (FECAM) e  Claiton Camargo, diretor-executivo do Orion. 

O papel do poder público no ambiente de inovação foi debatido, trazendo quais são os reais impactos nos diferentes territórios. O presidente da Câmara de Vereadores lembrou que inovação é apenas tecnologia. “Nós temos um potencial gigante no agronegócio, mas podemos crescer muito mais. Inovação não é só tecnologia Finalizamos uma estrada, no distrito de Coxilha Rica, e a essa estrada ligou-se duas ou três cooperativas. Isso é fantástico”, comentou.

Vice-prefeito de Lages, Juliano Polese lembrou o papel do Orion enquanto grande fomentador da cultura da inovação da cidade. “Infelizmente o poder público não tem vocação para inovação, e o nosso governador tem falado com orgulho da mudança de mindset. O Orion é o símbolo da inovação na cidade. A gente sabe que o poder público não dá conta, mas felizmente nesses cinco anos, o Orion nos dá muito orgulho. É uma chave que precisamos virar”, frisou.

“Não podemos nos comparar com grandes centros. Temos que discutir, rever os processos, ter esse reconhecimento de inovação e não querer ficar se comparando”, afirmou Zabot.

Amanhã será o último dia do evento, totalmente on-line, com transmissão ao vivo no You Tube do Orion Parque, trazendo muito conteúdo em palestras e painéis temáticos gratuitos. 

Confira a programação: 

09h – Painel “Leis de Inovação”

10h – Painel ”Ativação de Ecossistemas”

11h – Palestra “Habitats de Inovação”

14h30 – Painel “Formatos jurídicos das Instituições Gestoras”

15h30 – Painel “Gestão de equipes nos Habitats de Inovação”

16h30 – Painel “Operação e sustentabilidade financeira dos Centros de Inovação”

17h30 – Painel “Programas de apoio às empresas e formas de incubação”

18h30 – Painel “Fomento ao Empreendedorismo Universitário”

19h30 – Painel “Desenvolvimento de comunidades e Give First”

O Orion Week é uma realização da Prefeitura de Lages, Governo do Estado de Santa Catarina e Fapesc, com apoio da Turma da Árvore, AT Plus Telecom, ACATE, Rede Catarinense de Centros de Inovação e ImagemTV.

Confira como foi a live de hoje:

Sem comentários
Poste um Comentário

1 × 2 =